Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

DETALHE IMPORTANTE

Existem retalhes que por força da conveniência costumam permanecer à sombra da realidade

DETALHE IMPORTANTE

Eu João da Barra concordo com observação que Batistão faz quando distingue uma obra particular de outra pública.

A criação do Complexo Portuário do Açu em São João da Barra - SJDB, Estado do Rio de Janeiro, é antes iniciativa privada. Trata-se de obra construída em área particular devidamente cercada e protegida, muito provavelmente com alguma licença que permite a presença de cercas até à beira do mar. Vale dizer que a obra não tem compromisso direto com o progresso de SJDB e nem tão pouco deve ser confundida como ação de governo, seja municipal ou estadual. Bom também perceber que a proposta de criação de uma Cidade X, apesar de planejada em área do município de SJDB, em princípio trata-se de empreendimento particular, desgarrado do poder público municipal e por isso mesmo independente.

Batistão então adverte para o fato de que uma coisa é o Complexo Portuário do Açu, cercado e dentro de um contexto particular. A outra coisa é o município de SJDB que está do outro lado da cerca e que por isso mesmo não deve confundir o público do privado.

Belo Horizonte, 10 janeiro 2011

PERDIDO NO QUARTEIRÃO

Não adianta querermos fugir escapar daquilo que nem sempre a realidade estampa, mas que é sempre parte dela. Não adianta querermos ter a suficiência que não temos, porque em nenhum de nós existe o ser completo. E por mais menos que queiramos resistir, não adianta, porque cedo ou tarde vem a revelação do que antes limitava-se à sutileza.

Aí é que está a presença do Deus vivo em cada um de nós, tudo. Exatamente na transparência de acontecimentos sinais a mostrarem sua incansável incessante ação. E não adianta passar tempo inteiro negando o que de fato está é na origem de tudo. E por mais misteriosa que possa parecer, esta origem demonstra infinita simplicidade. Só que sua trajetória nem sempre coloca-se exposta às nossas complicações. Ficamos perdidos, sem sequer notarmos aquela farmácia de manipulação no primeiro quarteirão da Avenida Prudente de Moraes.

Belo Horizonte, 18 novembro 2005

4 comentários:

Afrodite disse...

Oi Cadinho!
Voltei!
E passei primeiro aqui pra te dar um beijo e agradecer sempre as suas palavras e amizade!
Afrodite

ღPat.ღ disse...

E tuas palavras são do mesmo frescor do qual eu e tu estávamos acostumados. Rolaram várias lágrimas ao ler-te... e Halley falava muito de ti com imenso carinho que nem sei como transmitir, disse muito sobre a forma especial e marcante como te tinhas como amigo. Por isso, toda vez que entro aqui parece que sinto a fragrância dele em união com a tua, daquela amizade linda que ele vivia me dizendo! Me dá muita saudades e meu coração aperta até molhar a alma. Um pouco eu evitava de vir aqui por conta disso... é muito presente e forte. Eu entro as vezes na página dele para matar a saudade... É difícil esquecer, muito difícil, e somente a forma como ele nos deixava é que é possível 'compreender' sua precoce partida...

Desculpe escrever isto assim...
Um beijo e obrigada por suas palavras e carinho, Cadinho Querido.

Mari Amorim disse...

Desejo que seu dia,seja iluminado pela essência Divina,com Boas Energias Sempre!
Abraços
Mari

Rafeiro Perfumado disse...

Atender aos pormenores não está ao alcance de todos, só daqueles que têm prazer em observar o que os rodeia, de saborear a vida.

Abraço!