Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

VALORIZAÇÃO DA ARTE

Uma coisa é admirar e outra é explorar

VALORIZAÇÃO DA ARTE

Batistão reforça importância que há em reconhecermos a arte como atividade humana merecedora de apreço e valorização.

João da Barra percebe na arte a manifestação de momentos eternizados em formas e gestos, mensagens e manifestos dignos de serem preservados e valorizados.

Fato é que sem dar ao artista o devido valor, a arte termina por ser atrofiada, quando não restrita a um grupo de seres com capacidade de percepção que possa dignificá-la. O que demonstra haver na arte o elemento capaz de refletir a sensibilidade e cultura de um povo, de uma população.

Em São João da Barra - SJDB no final de 2010 a arte surgiu como tema de discussão para que o Poder Legislativo liberasse 10 milhões de reais para que o Poder Executivo pudesse agilizar programação do verão com shows, festas e eventos esportivos.

Só para que tenham pequena referência, se considerado o período do verão entre 01 de janeiro a 12 de março, primeiro sábado pós-carnaval, chegaremos a 71 dias de temporada. Ao pegarmos em número redondo os 10 milhões de reais e dividirmos por 71 dias, teremos resultado interessante.

São R$140845,07 por dia de dinheiro investido só em eventos artísticos e esportivos.

Será que SJDB valoriza tanto assim a arte, artistas, esportes e atletas?

É por demais importante valorizar a arte e o esporte, mas usar arte e esporte pura e simplesmente para obtenção de recursos pulverizados sabe-se lá como, aí é crueldade.

Baelo Horizonte, 11 janeiro 2011

BOI TOURO

Na Rua São Paulo a existência de uma casa loja em cuja vitrine encontra-se com toda imponência um boi com jeito de belíssimo touro. Enorme, forte e completamente alheio a tudo que acontece ao seu redor.

Um boi touro feito de material que não consigo identificar, mas que é certo não ser de carne, músculos, ossos e coisa e tal. Uma representação bovina feita com arte esmero para venda de chapéus, coletes, botas, botinas e variedade enorme de peças para o vestuário campestre. Ao lado da tal vitrine, acesso a um bar restaurante, que não conheço, mas que deverá ter estreita relação com fazendeiras e fazendeiros com suas vidas animadas por aventuras e investidas espetaculares. O que acaba dando sentido e certa vida ao boi que não é nem boi e nem touro, mas que continua na vitrine.

Belo Horizonte, 20 novembro 2005

7 comentários:

Bloggirls disse...

Oi amigo! nesse país se rala muito pra poder viver de arte. As verbas poderiam ser melhores distribuidas né?! Montão de bjs e abraços
Elaine Barnes

Crys disse...

Oi querido, vim agradecer visita no meu cantinho, e realmente, neste país é difícil sim viver da arte, eu tambem pinto algumas telas, mas apenas para decorar minha casa e presentear amigos, mas seu trabalho é lindo!
Bjs carinhosos em ti...

Pedrasnuas disse...

OBRIGADA PELA VISITA, E CONCORDO ,ADMIRAR NÃO É O MESMO QUE EXPLORAR,COMPREENDER,INTERPRETAR...É MUITO IMPORTANTE A VALORIZAÇÃO DA ARTE PORQUE É ATRAVÉS DELA QUE TESTEMUNHÁMOS TODO O NOSSO PASSADO..,A ARTE RELIGIOSA, A ARTE MODERNA...ETC

ABRAÇO

M. disse...

A arte é A actividade humana por excelência!

Dα૨ℓ૯ท૯ Aℓ√૯ઽ....(",) ^♥^ disse...

OYEEEEEEH.......


tenha uma ótima noite...



belo post ..nada como a arte em si..

bj...


Darlene Alves...(".)

Rosangela Neri disse...

"Eles" aproveitam que o artista tem uma paciencia e uma sabedoria muito além das possibilidades... quando teremos um governo que valorize nossa cultura?

Parabéns.

Voltarei.

Bj de boa semana.

Belle disse...

Se a arte fosse mais valorizada, com certeza isso refletiria de forma mto positiva dentro da sociedade, uma vez que trabalhos sociais poderiam tirar mais pessoas de uma vida sem futuro!!!
Bjos