Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sábado, 21 de setembro de 2013

FAZENDO A DIFERENÇA



Conjuntos de Painéis Cadinho RoCo, óleo sobre tela, ótimo presente pra quem gosta de arte.

FAZENDO A DIFERENÇA

     Não há nada de extraordinário no meu mais simples e tranquilo convívio com os santos. Dialogo com eles sem nenhum excesso e deles recebo mensagens e palavras maravilhosas.

     Santo Antônio é um desses que está sempre comigo. Conversamos muito e quando fico meio que pressionado por eventual necessidade, eis que Santo Antônio surge pra mostrar que aquela necessidade nem é tão rigorosa assim.

     Mais vale exuberar a fé capaz de feitos tidos como verdadeiros milagres que também não devem superar importância que devemos deslocar para o amor. Santo Antônio pega o momento inclusive para mostrar que o amor dispensa sofisticação e condutas complexas.

     É da simplicidade que conseguimos saltar da indiferença para o amor que é quem faz toda diferença em nossas vidas.

Belo Horizonte, 21 setembro 2013

SEM ÓDIO

     Não nasci para o ódio. Definitivamente não. Por isso mesmo é que por tantas vezes trato de buscar a rota do desvio, evitando passagens perigosas, ameaçadoras ou dignas das mais imprevisíveis consequências.

     Nasci para amar. Gosto de gostar e de celebrar a estima, o amor e a circunstância amistosa a propor entendimento e crescimento. E ainda que daí eu absorva o surpreendente sabor da ingenuidade, insisto em ser, agir e acreditar nessas ocasiões. Mesmo sabendo haver entre elas enormes demonstrações de inacreditáveis ceticismos. O que confesso saber nem sempre ser bom.

     Dia desses, por estampar alguns elogios pouco mais temperados, confundiram tudo. Aliás, vivem confundindo muitas coisas por aí. Ficou naquela situação descrita pela mistura do oportunismo com fictício pudor a fazer dela senhora de uma certa antipatia perdida no tempo e no espaço. Fiz que não entendi, saindo de perto. Tudo porque não nasci mesmo para o ódio.

Belo Horizonte, 18 janeiro 2002

Um comentário:

Célia Rangel disse...

Nossa paz interior é o reflexo da simplicidade da nossa pessoa. Parabéns por ser assim, Cadinho!
[ ] Célia.