Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

SUGESTÃO



Conjuntos de Painéis Cadinho RoCo, óleo sobre tela, ótimo presente pra quem gosta de arte

SUGESTÃO

     Uma coisa é você pensar no bem da cidade onde vive, outra é querer só tirar proveito dela. No campo político, uma coisa é agir como cidadão diante do lugar onde vive, outra é colocar-se sempre como adversário da administração pública por força de interesses eleitoreiros.

     Diante de tais evidências é simples concluir que quanto mais faz, mais o prefeito se expõe à opinião pública. Com isso, a necessidade da informação se impõe com mais vigor.

     Sugiro assim abertura de espaço para, a exemplo das campanhas eleitorais, adotar pertinente campanha de mandato. Eis aí dispositivo capaz de esclarecer muito do que alguns insistem em distorcer.

     É pela informação que temos chance de ampliar nossas conclusões.

Belo Horizonte, 24 outubro 2013

VEREADOR CASTRADOR

Senhor Vereador    

     Vossa Excelência não imagina minha surpresa ao saber da aprovação daquele vosso projeto. Entre outras sutis perversidades, agora  por força de lei, Pit Bull em Belo Horizonte, só castrado. Mas logo o senhor Excelência, homem quase santo a arrebanhar votos de tantos cristãos, com tamanha intolerância? Está bem. Os Pit Bull não devem ser mesmo criaturas de Deus. Aliás, chego a admirar vossa nova postura a legislar para os animais. Ainda que seja para extermina-los.

     Mas Vossa Excelência poderá propor também aposentadoria para os burros, jumentos, cavalos, éguas e semelhantes, que prestam relevantes serviços para a sociedade, como já aconteceu na Câmara do Rio de Janeiro. Ou então tratar dos cães a formarem matilhas, em face do abandono, nas ruas de Belo Horizonte. Não estão eles por merecer um belo projeto de lei? São idéias dignas de um vereador isento e zoologicamente correto.

      Lembro até de frase que um dia escrevi: Uma das grandes virtudes dos cães Pit Bull é a de terem eles incrível capacidade de exuberar a ferocidade humana.

     Pena não termos leis capazes de castrarem, com a devida competência, mandatos políticos a, com toda fúria, morderem e arrancarem pedaços inteiros da ingenuidade e boa-fé de tantos eleitores. Não é disso que estamos precisando Excelência?

Belo Horizonte, 30 abril 2002


Um comentário:

Célia Rangel disse...

Excelências castradas, uma excelente sugestão, Cadinho! Quanta perda de tempo com esses senhores que elegemos! Quanto dinheiro mal empregado! Enfim... temos culpa também! Acordemos nas próximas eleições!
Abraço.