Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 16 de março de 2014

SOBREVIVENTE

SÉRIE XAMÃ em curso e SÉRIE ESTRADA REAL nascida em setembro de 2003 dos FOLHETOS CADINHO ROCO
SOBREVIVENTE
     Ganhei aquário espetacular no final do ano passado, presente do casal Marcílio, Sandra e filhos que o trouxeram de São Paulo pra mim.
     Montei o aquário com plantas naturais e pedras, sete peixes ornamentais, raça espada. O interessante é que todos esses peixes nasceram comigo em criação que mantenho faz tempo.
     Logo após montar o aquário, em poucos dias percebi nascimento de filhotes que pensei não sobreviverem porque o aquário estava com poucas plantas para que eles se escondessem da depredação natural, porque peixes adultos comem filhotes. Mas vi um sobrevivente que logo sumiu, não fiz caso do ocorrido e agora, depois de bons três meses, eis que deparo com aquele filhote já mais encorpado, sem risco de ser atacado.
     Xamã celebra comigo achado tão feliz.
Belo Horizonte, 17 março 2014
PERNAMBUCANO DE PETRÓPOLIS
     “Sou natural do Recife, mas na verdade nasci para a vida consciente em Petrópolis, pois de Petrópolis datam as minhas mais velhas reminiscências.” Esta frase foi escrita por Manuel Bandeira, um dos gênios da nossa literatura brasileira. O homem nasceu no Pernambuco, para nascer na Petrópolis da Estrada Real. Assim, esse mestre da poesia deixou seu registro nessa estrada de tantas outras inspirações. Em 1936, Manuel Bandeira denuncia: “Ao Aleijadinho, só agora se começa a fazer justiça. A sua obra foi a flor extrema do luxo de um século de mineração. São Francisco de Assis de Ouro Preto é a obra de arte mais comovente de todo Brasil. Ali, tanto no interior como na frontaria e nas arcadas dos lados, está marcado o mais generoso esforço de criação do gênio mestiço da nossa gente: arte de uma saúde, de uma robustez, de uma dignidade a que nenhum outro artista atingiu entre nós.”
     A sensibilidade de Manuel Bandeira continua e continuará sendo sempre de enorme contribuição para que tenhamos oportunidade de perceber a quanto há de poesia por toda Estrada Real.

Belo Horizonte, 20 outubro 2003

2 comentários:

Célia Rangel disse...

De seu aquário,a Manuel Bandeira sob sua ótica e de Xamã leio textos informativos e significativos de quem sabe saborear o melhor da vida!
Abraço.

O meu pensamento viaja disse...

Muito obrigada pela visita e gentil comentário.
Gostaria de ficar como sua seguidora, mas uma desagradável anomalia técnica, que espero ver resolvida brevemente, impede-me de o fazer.
Deixo um abraço