Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

terça-feira, 20 de maio de 2014

DO JAPÃO

SÉRIE XAMÃ dos
FOLHETOS CADINHO ROCO
DO JAPÃO
     Sou sim radialista profissional, mas fora do mercado de trabalho. Quero o rádio, mas o rádio não me quer e assim é que a vida mostra o que temos e não temos ao nosso dispor. Já não sofro mais com essas constatações, aprendi a compreender, tolerar e aceitar essas sutilezas da realidade. Por isso é que digo aprender enquanto ensino ao Xamã jeito e outro de ser mais acessível ao seu agir por vezes arredio, sinal de reação imediata e pouco amistosa a qualquer gesto estranho e repentino a ele destinado.
     Gosto da personalidade do cão Xamã, cuja inteligência facilita em muito recepção do que passo pra ele.
     Quanto ao rádio, eis que busco sintonias distantes, hoje mesmo ouvi programação em português da Rádio do Japão. Uma beleza.
Belo Horizonte, 20 maio 2014  
MONTANDO O DISCURSO
     Depois de deparar com essência conteúdo, chega momento de montar o discurso. Lápis, caneta, papel, computador, gravador. Eis alguns instrumentos servidos para que seja feito registro do discurso. Ouvir e falar é tão importante quanto ler e escrever.
     De toda conclusão obtida para montagem do discurso, faça transferência para o que irá registra-lo, evitando sem desprezar aquela parte falsa. Escreva grave tudo para que em seguida sejam eliminados os excessos. Aquelas idéias pensamentos vão sendo naturalmente dispensadas após estarem devidamente incluídas no material bruto. Se elas antes serviram como elos de ligação do pensamento, agora podem ser deslocadas como referência daquilo que devemos evitar.
     O grande desafio de um discurso competente está exatamente em sua dimensão. Todo e qualquer excesso é ruim. O orador deve estar sempre atento à paciência do ouvinte platéia, para que seu pronunciamento não desmorone, ou seja, não termine em enorme chatice. Não é porque temos permissão do tempo que deveremos utiliza-lo com baboseiras.
     Falar de improviso, não significa sair falando a esmo. O discurso de improviso basicamente é o que não é lido, ou seja, o que foi concebido escrito e memorizado pelo orador. Para completar, naquela solenidade em que existem outros oradores, cuidado para não invadir neutralizar o discurso do que irá falar após seu dizer.
     Tudo isso Taís torna-se simples se evitarmos os excessos trazidos pela ânsia empolgação em querer o máximo de um tempo mínimo. Em resumo, o segredo está em ser sincero.

Belo Horizonte, 16 maio 2004

4 comentários:

Célia Rangel disse...

Citações de vivências de quem tem sabedoria de vida, Cadinho! Beleza!
Abraços.

Bell disse...

oi Cadinho

O mundo quer que a gente se adeque a modelos por ele aceito.
Aquele que não o faz entra em um conflito.
Seja sempre vc!!

bom diaaaa =)

Carla Ceres disse...

Oi, Cadinho! Nunca pensei que houvesse programação em português, em alguma rádio do Japão. Você é cheio de novidades interessantes. Abraço!

Motive to be Pretty disse...

As vezes temos que nos dar um tempo para nos adaptarmos as regras da sociedade.
Adorei o final sinceridade hj esta mt dificil de se encontrar e msm um segredo!
Obrigada pela sua visita. Bjus