Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 18 de maio de 2014

VELOCIDADE

Série Xamã dos
FOLHETOS CADINHO ROCO
VELOCIDADE
      Xamã pergunta se já parei pra pensar na velocidade de tudo que acontece. Tomo susto com impacto de indagação tão objetiva. De imediato penso no significado da velocidade, na razão de ser de cada deslocamento que faço, na direção de cada caminho que assumo.
      Qual o verdadeiro sentido de cada ida minha, sua, de cada um de nós? É interessante perceber que nem sempre vamos para onde queremos ir, que nem sempre ficamos onde queremos ficar. E quando acordamos para determinados fatos, a sensação de que tudo passou tão rápido!
     Será que a velocidade proposta por nós mesmos é a que queremos para nós mesmos?
Belo Horizonte, 18 março 2014

RAIZ TAÍS

Pernas e braços
Mãos e pés
Nós e laços
Mares e marés.
Linhas e traços
Barco convés
Vidros e estilhaços
Flauta e oboés.
Música no marítimo
Agir de um ritmo
Que afasta e aproxima
O pronunciar da rima
Do mais puro mimo
Taís tão íntima.


Belo Horizonte, 04 maio 2004

4 comentários:

Zizi Santos disse...

Oi Cadinho
São muitas indagações.
Nem todas , eu creio, tem respostas
É um caminhar para não sei aonde
é um ficar aqui para pensar!
Linda poesia de 2004
que nos traz agora. Ricas palavras
Zizi

Ju disse...

Adorei seu texto sobre a velocidade! Realmente nem sempre vamos para onde queremos ir...

Ju
Entre Palcos e Livros

Claudinha ੴ disse...

Sensato! Tenho me perguntado muito sobre este tempo que me parece cada vez mais curto. Cheguei à conclusão de que andam me roubando o meu. Nem sempre estou onde e quando quero...
Ótima reflexão!

ॐ Shirley ॐ disse...

Cadinho, pude viajar nas entrelinhas desse bonito poema...
Beijo para você e, claro, para o Xamã também!