Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 17 de agosto de 2014

CHORAMINGO



SÉRIE XAMÃ
FOLHETOS CADINHO ROCO
CHORAMINGO
     Hoje paro por instante para pensar na vida. Valerá a pena? Sim, porque é uma pena para mim não ter como fazer muito do que quero e sei que posso fazer.
     Xamã olha pra mim e numa espécie de choramingo, que não quer dizer tristeza, me alerta para o quanto é mais importante valorizar o que tenho feito, o que consigo fazer. Sou despertado por esse detalhe que de fato é muito importante. Ao invés de comentar pelo que ainda não fiz, devo mesmo é celebrar o que faço. Sair disso é perder tempo, é se perder em um tempo que na realidade nem chega a ser tempo, por ser o que não é.
Belo Horizonte, 17 agosto 2014
INTRANSIGÊNCIA
     Vizinhança resolveu reclamar dos patos patas que meu primo cria em sua casa. O que poderia trazer alguma pertinência, oferece atitude de intransigência um tanto exagerada. É por aí que o convívio humano torna-se difícil, complicado e por tantas vezes gerador de conflitos tão insanos quanto dispensáveis.
     Estivesse a casa do meu primo construída em área urbana de cidade dita grande e com modos e hábitos devidamente artificializados por tantas obras e manobras ditas da civilização metropolitana, o caso seria entendido sem qualquer reserva. Mas, não é assim.
     Estamos aqui tratando de uma casa de campo, construída em Lagoa Santa, município inserido ao que citam como grande Belo Horizonte, com todas as características de uma cidade do interior, de pequeno porte. Daí a existência de quintais, pomares, jardins, galinheiros, viveiros e tudo que possa relacionar-se a uma típica construção provinciana. Acontece que, por estar próxima da capital Belo Horizonte, a cidade sofre com a invasão de pessoas que querem conviver com seu bucolismo, sem no entanto se permitirem a ele. Aí, fica difícil.
     A intransigência é, no mais das vezes, de enorme infelicidade. Pior do que não conseguir ser feliz, é passar a não suportar a felicidade alheia. Em situação assim, haja paciência.
Belo Horizonte, 01 abril 2005

4 comentários:

Adelisa M. disse...

R: obrigada :) bom domingo

Isy disse...

A vida vale sempre a pena!

Bjxxx

Malu Silva disse...

Apesar de nem sempre ser possível, eu tenho valorizado mais o que faço ao invés de querer poder fazer mais... mas como disse nem sempre é assim... quanto às intransigências elas têm permeado todos os lugares como praga. Parecem estar presentes cronicamente na alma de muitas pessoas...
Uma excelente semana, meu amigo!

Érica Cruz disse...

A vida vale muito a pena! É importante valorizar o que temos de melhor. Todas as pessoas tem algo de bom dentro de si.
Beijinhos
:)

http://cariocaemportugal.blogspot.pt/