Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sábado, 5 de março de 2016

PALADAR SALGADO



PALADAR SALGADO
O arroz estava frio
A saudade quente
Correndo qual rio
Tempo transparente.
Pensamento vadio
Alimento ausente
Palavra em silencio
Isso é ser gente?
Paladar salgado
Mergulho no mar
Rio chegando agitado.
Bom mesmo é amar
Mundo misturado
E solto pelo ar.
Belo Horizonte, 05 março 2016
DO QUE SOMOS E FAZEMOS
     Não é pela escassez que devemos temer, diz João da Barra. Devemos temer é pela insensatez, pela indiferença e por tudo aquilo que nos afasta de nós mesmos, enquanto humanos que somos.
     Se o artista não consegue negociar o resultado da sua criatividade, nem por isso deverá abandonar seu talento que é graça a ele concedida. Mais dia menos dia seu trabalho será visto, reconhecido e recompensado. Desde que feito com amor e dedicação, todo trabalho obterá alguma resposta.
     João da Barra então mostra que não há nenhuma razão plausível para que percamos a esperança e fé no que somos e fazemos com e pelo amor.
Belo Horizonte,  17 fevereiro 2010    

2 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Concordo plenamente com João da Barra, o importante é nunca desistir e manter a fé em nos mesmos.
Um abraço
Maria

Nuno Filipe disse...

Por norma, o que confesso nunca entendi muito bem, o talento seja de quem for só é reconhecido depois da pessoa morrer. Morre o artista, fica a obra. É assim que se tem de pensar... infelizmente
.
Feliz fim de semana
Deixo cumprimentos