Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sexta-feira, 4 de junho de 2010

PREÇOS EM OFERTA

Cansei de acreditar no investimento do alheio

PREÇOS EM OFERTA

Preciso de dinheiro. Por isso também trabalho. Mas só trabalho é pouco porque numa relação direta entre trabalho e dinheiro há muita controvérsia. Sobretudo num Brasil onde o trabalho, no mais das vezes, nem vale tanto assim, muito antes pelo contrário. Mais vale...; melhor deixar pra lá.

Preciso de dinheiro e por isso também trabalho, produzo, crio textos, poemas e pinturas em painéis, tinta sobre óleo, pra não dizer das camisetas que parei de pintar por falta de venda. Da mesma maneira que parei de atuar em emissoras de rádio e televisão, nas prestações de serviços em cerimonial, consultoria e assessoria de comunicação, por falta de oferta digna. Parei de fazer papel de bobo, parei de ser só investimento do alheio.

Preciso de dinheiro e por isso coloco à venda painéis que pinto e que estão com preços em oferta.

Belo Horizonte, 04 junho 2010

MEU SENHOR

Ando hora inteira para estar com ela que não tem alguns breves minutos para ler o que escrevo. Atendo de imediato ao que pede tempo e prazo para dar atenção ao que sugiro e busco viabilizar. Estampo disposição em servir expondo meu ser ao propósito vindo a mim, pela trilha do abuso.

Finjo que não entendo, afastando toda e qualquer sugestão da malícia a, no fim dos termos, não fazer bem. Das lembranças a mim dirigidas, a remessa da paciência a creditar e a acreditar na expansão de um cálculo de fato atrofiado.

Quanto maior minha oferta, maior a percepção de limites a ofertarem meu ser com a decepção e a incompreensão típica de quem não consegue libertar sentidos tão aprisionados.

Presto serviço e contas a quem em verdade surge como meu legítimo Senhor. Dele, a recompensa da revelação a alimentar e a saciar o meu ser.

Belo Horizonte, 07 novembro 2001

8 comentários:

Mirze Souza disse...

AH CADINHO! Que delícia de texto.

Preciso de dinheiro.... e quem não?

A lei economica é: quanto maior a oferta, maior a procura.

No seu linguajar poético, é:Quanto maior minha oferta, maior a percepção de limites a ofertarem meu ser com a decepção e a incompreensão típica de quem não consegue libertar sentidos tão aprisionados.


Isso que é ser humano.

Parabéns!

Beijos

Mirze

Talles azigon disse...

Ah é deveras ruim ser explorado, não ser valorizado, todos os profissionais que trabalham com arte cultura e divulgação, pelo menos uma boa parte sofre do mesmo modo que você

eu já fui um, por isso que as vezes me desanimo com o teatro, mais oa artista é um exibicionista

sua telas são maravilhosas,

Lua Nova disse...

Quanto mais conseguimos "libertar sentidos aprisionados" menos compreendidos corremos o risco de ser. É doloroso sentir-se explorado pela ignorância e falta de sensibilidade. Infelizmente isso acontece. Sinto imensamente sua tristeza e decepção. Sei o quanto dói.
Que seu fds seja proveitoso.
Beijos.

Ju Fuzetto disse...

Ótimo texto amigo!!

bom final de semana!!

beijo

Betty Gaeta disse...

Gostei de ambos os textos. Eu tb trabalho, trabalho pq preciso de $ e pq desde criança fui ensinada que devia trabalhar para ter $. Gosto de trabalhar, nem sempre gosto do que faço.
Bjkas e um ótimo final de semana.

Isadora disse...

Cadinho, nem sempre a relação trabalho/dinheiro é equilibrada. Fazer o quê? Mas pelo visto vocês está dando um jeito e que bom que é um artista e pode oferecer sua arte.
Um beijo

Dryka Sales disse...

volte sempre sempre. \o

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Cadinho,

Esse é um país que não valoriza o talento, mas o maior valor é o que sabemos que temos. Seu texto fou um desabafo digno.

Noite de luz, querido amigo.

Rebeca

-