Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 27 de maio de 2018

EFEITO


EFEITO
Hora do remédio
Alguém conversa no prédio
Entre degraus da escada
Breve risada.
Algo tirando sede do tédio
Música no ritmo do assédio
Sensação acalorada
Ninguém vendo nada.
Efeito realçado
Pela respiração inquieta
Pensamento desencontrado.
No corredor uma seta
Sonho alucinado
Audição indiscreta.

Belo Horizonte, 27 maio 2018
SAIU MAIS CEDO
     Quando cumprimentou-me eu a reconheci, mas continuei fazendo o que estava fazendo. Mais tarde, sua imagem veio à minha lembrança. Era ela mesma?
     Seu nome estava definitivamente escapado da minha lembrança. Mas era ela, eu sabia que era ela. Procurei-a sem ter mais oportunidade de estar com ela. Só hoje é que deparamos um frente ao outro novamente. Era ela mesma. Saiu mais cedo de onde estava. Por isso foi que não tive oportunidade de estar com ela mais tarde. Mas, foi bom termos estado juntos hoje, numa reunião de trabalho que serviu para que de nossa conversa brotasse possibilidade de novo encontro, qualquer dia desses.
Belo Horizonte, 31 março 2005

sábado, 26 de maio de 2018

PANINHO VERDE

PANINHO VERDE
Paninho verde sumiu
Estava na cozinha
Ninguém viu
Pia vaziinha.
Lembrança investiu
Naquela frestinha
Lá paninho não caiu
Resta olhar a lixeirinha.
Espanto perdido no chão
Mármore em sua escuridão,
Frio, úmido, espuma de sabão.
Mistério instalado
Coração apertado
Assunto acabado.

Belo Horizonte, 26 maio 2018
CAIXAS DO CORREIO
     Para distribuição dos Folhetos Cadinho RoCo, o expediente das caixas do correio. Elas são tantas e tão diferentes, que chegam mesmo a chamar pela atenção da gente. Caixas novas, caixas velhas, limpas, sujas, enferrujadas, pintadas de cores diversas, decoradas, lisas, expostas, escondidas, de metal, de alvenaria. Existem as caixas simples e aquelas descritas por detalhes a exuberarem o imaginário dos seus criadores criadoras.
     Mas, não é em todo endereço que expostas estão as caixas de correio. Intrigante perceber que em lojas, bares, restaurantes, padarias e mercearias, dificilmente é encontrada a tão interessante caixa do correio. Aí, como fazer para deixar, de forma civilizada, a correspondência?
     No caso dos folhetos, bom ressaltar o quanto é saudável o uso das caixas do correio, que estabelece assim certo sabor de mistério. Quem, quando, por que alguém deixou este folheto aqui? O que penso oferecer pertinente sabor estímulo para leitura dos folhetos.
     A experiência tem sido ótima mesmo. Resta saber, se você leitor leitora comungam com este que é sim um gesto de comunhão.
Belo Horizonte, 24 março 2005           

sexta-feira, 25 de maio de 2018

ANOITECENDO


ANOITECENDO
Palavras palavrinhas
Linhas entrelinhas
Abóboras abobrinhas
Sementes sementinhas.
Mares e ondas
Barbantes e cordas
Ideias separadas
Mãos dadas.
Anoitecer silencioso
Vento manhoso
Olhar misterioso.
Luzes e sombras
Nuvens e estrelas
Metades inteiras.

Belo Horioznte, 25 maio 2018
ESPÍRITOS
Garfos e palitos
Palavras e conflitos
Fantasias e mitos
Silencio de gritos.
São gestos ritos
Cabras cabritos
Vôo de periquitos
Doces faniquitos.
Ovos fritos
Olhos esquisitos
Porém solícitos.
De todos os atritos
Carinhos bonitos
Instantes infinitos.

Belo Horizonte, 13 março 2005

quinta-feira, 24 de maio de 2018

ABENÇOANDO


ABENÇOANDO
Sobrinha toma benção
Pra quê transformar uso
Em desuso
De respeito e atenção?
Melhor seguir tradição
Evitando abuso,
Por tantas vezes confuso,
Do que viver em contradição.
Insistir no revolucionário
Tresloucado
É avançar em sentido contrário.
Valorizar o agir recatado
É dar brio
Merecedor do mais solene cuidado.

Belo Horizonte, 24 maio 2018
NOVOS RUMOS
     Acordei pensei deduzi que aquele sábado 19 fevereiro apresentava-se como dia muito especial, diferente dos diferentes dias que nascem todo dia. Dedução simples, mas com jeito confuso próprio de tudo aquilo que destaca-se de todas as coisas.
     Não deu outra. Só que imaginei justo contrário do que de fato aconteceu. Forte demonstração de momento a exigir zelo cuidado toda atenção ao que tem feito acontecer a vida em alguns surpreendentes e dispensáveis acontecimentos. Momento para averiguar sentido de transformações impostas pela necessidade que traz consigo preciosos recados sinais.
     O fato de ficarmos apegados a procedimentos transformados em hábitos acaba obstruindo a percepção nossa sobre interessantes detalhes a serem averiguados. Resolvo então assumir firme termo de mudança que então busca da criatividade novos rumos.
Belo Horizonte, 23 fevereiro 2005 

quarta-feira, 23 de maio de 2018

FAZENDO MALAS



FAZENDO MALAS
Vai para Moscou?
Não vou.
Vontade pousou
Vontade voou.
E o vento levou
Filme que acabou
Em lágrima que secou
Pronto acabou.
Vai para Fortaleza?
Aí sim, com certeza
Já fazendo malas.
Tranco portas e janelas
Abro braços qual asas
Viver é mesmo uma beleza.

Belo Horizonte, 23 maio 2018
Balada DO BURACO
Ela badala
Na balada
Da noite
Encantada.
Ela fala brinca
Ri conversa
Lábios sedentos
Olhos atentos.
Ela traz leva
Sonho corpo
Desejo.
Ela vem vai
Com seu jeito
Gostoso.

Belo Horizonte, 13 fevereiro 2005

terça-feira, 22 de maio de 2018

ESCARLATE







ESCARLATE
Ao invés de chocolate
Vamos comer abacate
Amassadinho com açúcar
Não há o que contestar.
Salada de tomate
Dia escarlate
Cores soltas no ar
Apetite ido ao aquarelar.
Corpo pede alimento
Doce ou salgado
Amor pede sentimento
Sempre acalorado
Cheio de envolvimento
Bem temperado.

Belo Horizonte, 30 maio 2018
LIMITES
     Não basta ser católico para ser católico. É preciso viver o ser católico.
     Não basta dizer ser católico. É preciso dizer e agir qual ser católico.
     Não basta acreditar para que o acreditar acredite sem no entanto escapar de suas dúvidas. É preciso acreditar acreditando na entrega da fé que assim estará libertando o ser de algumas tantas desavenças suas. É preciso perceber a legítima dimensão da simplicidade, para que dela não sejamos levados ao insano cultivo de tantas complicações. É preciso entender que não conseguimos entender o absoluto de todas as coisas. É preciso que tenhamos a humildade de perceber o verdadeiro sentido dos mistérios a desafiarem a compreensão da nossa mais sincera aceitação.
     Por sermos seres limitados é que deveremos respeitar e admitir limites, para que não adotemos a inconveniência, como conveniente instrumento de nossos abusos. Assim é que estaremos sempre mais próximos de nós mesmos e de tudo todos os seres inseridos ao nosso mundo que nunca deverá estar restrito ao mero individualismo. Assim é que estaremos acreditando em tudo que nos é concedido, sem ficarmos propondo desafios a só contribuírem para a expansão dos conflitos. É assim que estaremos verdadeiramente amando Deus sobre todas as coisas.
Belo Horizonte, 25 abril 2005

DIA DE SANTA RITA


DIA DE SANTA RITA
Meu pai nasceu
No dia de Santa Rita
Meu pai viveu
Vida bonita.
Meu pai morreu
Em tarde aflita
Mas não desapareceu
Desta lembrança infinita.
Da eternidade o silencio
Marcado pelo mistério
De fogo aceso no pavio
Calor invadindo o frio
Luz impondo desafio
À escuridão desse convívio.

Belo Horioznte, 22 maio 2018
BURACO VIVO

Mangueira manga
Sabor maduro
Casca polpa
Caroço semente.
Cova buraco
Terra água
Mergulho que desce
Em busca da vida.
Silencio sombra
Ausência quieta
Luz que vem brotando.
E nasce a planta
Raiz caule tronco
Folha flor fruto.

Belo Horizonte, 05 fevereiro 2005