Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sexta-feira, 25 de maio de 2012

FORA DA ILUSÃO


Não dá mais pra ficar só no sonho
FORA DA ILUSÃO
     Em meio a tanta aflição eis que meu Pai traz a mim o sono capaz de realçar minha força, meu agir. Pela fé exposto fico à graça daquele que é o Deus de todas as coisas, na fé de que o que faço vale o que cobro quando então requisitado por alguém. No entanto, minha fé vai de encontro ao Pai, que também é Filho e Espírito Santo a inspirar o meu viver em Cristo que sempre pode mais.
   Cansei do mundo das facilidades e propostas esdrúxulas. De tudo que faço e posso vender, eis que disponibilizo meu trabalho para quem quiser pagar por ele.
     Não me permito mais ao viver usado e abusado por ocasiões em que alimentado fui por tanta ilusão.
Belo Horizonte, 25 maio 2012
VAMOS RESPEITAR
     Existem situações difíceis de serem entendidas em pleno século XXI, já que vivemos num mundo com tantos recursos ao nosso dispor.
     A questão das filas nas lotéricas é a própria demonstração do atraso, do pouco caso ou, se preferirem, da incompetência de uma Caixa Econômica Federal CEF que não pode, de maneira alguma, ficar exposta a vexame desta ordem.
     Vivemos no Brasil da tecnologia, do voto eletrônico, dos lucros bancários extraordinários a exigirem e contarem com recursos de primeira linha naquilo que refere-se à administração dos lucros e controle fiscal. Não tem como não ser assim. E se assim é, será tão difícil estender toda essa evolução para o atendimento aos clientes e não clientes que chegam aos caixas das lotéricas auditadas pela CEF?
     Qual a dificuldade de implantar o sistema eletrônico automático para apostas dos jogos propostos pela CEF?
     Qual a dificuldade, no caso de Grussaí, de colocar uma máquina para depósitos, saques, pagamentos e transferências, tudo no sistema de autoatendimento, naquela lotérica, posto não haver sequer uma agência bancária  neste distrito de São João da Barra?
     Não devemos ter o respeito como mera opção de comportamento, mas sim como atitude fundamental para todo e qualquer convívio civilizado.
Belo Horizonte, 18 março 2011

3 comentários:

Renata Diniz disse...

Concordo. Sobre o bem de estar desencantado, "desencanado", otimista, porém, realista. E sobre o respeito. Sobretudo. Bom fim de semana!

Carla Ceres disse...

Seu texto sobre as filas tem mais de um ano e continua atual por aqui. Abraço!

Luna Di Primo disse...

bravo! bem legal aqui combinação de artes... belos quadros nos dois estilos, parabens amigo, a sua sensibilidade encanta aos que aquim veem... abraço de encanto bjuuu