Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sexta-feira, 19 de junho de 2009

DA ENTREVISTA

O convívio entre blogs é simplesmente cativante.
Na coluna ao lado clique no selo Tattoo e conheça esta que é uma banda que vai dar o que falar. Confira.
DA ENTREVISTA
Em meio à entrevista que concedi para Meiroca, que irá publicá-la lá em seu blog não sei quando, fui perguntado sobre qual tema escreverei amanhã.
Não tinha, como não tenho, tema específico para escrever amanhã. Mas, a pergunta veio com o despertar do tema que eu não tinha porque é assim mesmo que acontece. De algum instante inesperado a surpresa e da surpresa é que surgem os melhores temas.
Do convite que recebi da Meiroca alegria incontida porque gosto dela, do jeito dela se manifestar, da sua impetuosidade que pode ser influência do seu convívio com a Itália, que é onde mora hoje. E mesmo na condição de entrevistado tive oportunidade de saber que Meiroca tem memória curta para o que não faz bem a ela, o que demonstra ter coração enorme para o bem que faz a ela e a nós por ser assim. A propósito, esse apelido Meiroca tem uma sonoridade de aconchego!
Belo Horizonte, 19 junho 2009.
DEVANEIO
Imagino-a sem querer imagina-la.
Imaginam-me não sei como.
Imaginamos todos que somos dotados de alguma mais ou menos imaginação. Gesto diverso divertido. Particularidades de reparos discretos sutis. Averiguações infantis e discretas. Temos algumas mesmas tantas maneiras de observar sentir mundo de nossos acessos e repúdios.
Idas e vindas idas por caminhos outros,. Temos a possibilidade de tantas muitas atitudes. Por isso mesmo é que em nós está a liberdade da aproximação e do afastamento.
Belo Horizonte, 27 março 2006

11 comentários:

Meire disse...

Bom dia Cadinho!


Realmente nao me recordo de alguma situaçao ruim, rs tenho memoria curta.
Adorei a possibilidade de ter voce entre meus entrevistados, estarei editando esta tarde a tua entrevista e te aviso a data para que voce possa agendar.

Gosto muito de voce!

Beijos

Meire

Helô Müller disse...

Lindo o seu devaneio !
Concordo com vc, quando diz que é do inesperado que surgem as melhores idéias e textos ...
Já dizia D. Hélder Câmara:

" À força, nem felicidade"

É isto aí, besos !!
Helô

DO disse...

A MEIRE passa mesmo muita doçura e alegria,além de uma amizade verdadeira a quem se aproxima dela.
Belas palavras,Cadinho.

Abraços!

# Não sabia que vc morava na Italia.

Renata disse...

Passando para deserjar um bom final de semana.
Bjim
T+
Obrigado pela força no meu blog.

Renata disse...

Engraçado, tb não penso muito no que vou postar no blog. Não tenho um tema certo ... coloco o que sinto vontade, o que meu coração me faz expressar em determinados momentos. Conheci o blog da Meiroca a pouco tempo através do Lulu on Sky e realmente é muito bom, assim como o seu. Já virou vício. Bjs

CátiaSofia disse...

Bem!
A criatividade bem de onde menos esperamos, sei que por vezes estamos um pouco triste ou felizes e mesmo o olhar para um objecto, uma acção ou momento isso faz com que algu dentro de nós "se mexa".

Gosto muito da sua maneira de escrever.
Beijo

Shay disse...

Olá!

bom creio q é por isso q eu demoro pra postar algo
n gosto de nada muito obrigatorio não..
então tmbm não penso muit pra postar
sai naturalmente

bju sabor Hortelã

Lilith disse...

também adoro esse convívio entre os blogs...hahhah...temos cada um uma maneira de ver determinadas coisas...é sempre interessante essa diversidade...bjus.

Janaina disse...

Cadinho, que legal, vou aguardar a sua entrevista.A Meire é muito meiga, a voz dela é confortável.Fora que ela é gentil, pois ela já me enviou um postal da Itália, e já mandei uns três postais.Ela é legal pacas,beijos.

A Itinerante - Neiva disse...

Oi Cadinho,

Gosto destes seus posts soltos e despretenciosos. :D

Beijos

Reflexo d Alma disse...

Passo aqui e eme encanto com essa frase em especifico,porque me permite refletir"Por isso mesmo é que em nós está a liberdade da aproximação e do afastamento"

Saudade de voce la pelo blog,
tem texto novo...

Bjins entre sonhos e delírios