Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

BOM EXPLICAR

O respeito ao espaço do outro faz sempre por merecer muita atenção

BOM EXPLICAR

Empunhou um dos Folhetos Cadinho RoCo e sem qualquer reserva disse que pode me oferecer impressão deles em boa quantidade.

Olhei para João da Barra sem entender. Não perguntei, não pedi nada. Conheço e sinto pensamento de João da Barra que pondera para agradecer oportunidade aberta para saudável explicação.

Os Folhetos Cadinho RoCo devem ser percebidos antes por seu conteúdo e não por sua apresentação que traz a simplicidade de uma solução prática para que eles sejam produzidos e distribuídos. Não existe aí nenhuma intervenção de algum artista gráfico. O que existe sim é a possibilidade para que se abra um diálogo claro, maduro e objetivo quanto à negociação de patrocínio aos folhetos e não de mera ajuda institucional. Isso para não dizer de quem apareceu com ares de gente muito solícita, em outra ocasião, e em seguida copiou a ideia dos folhetos.

Se quiser conversar sobre patrocínio, possibilidade de produção gráfica mais arrojada, de distribuição estimulada por tiragens maiores e estratégias ampliadas, tudo bem. Mas, pegar um folheto e simplesmente dizer que pode imprimir vários deles a título de oferta assim não. Agradeço e dispenso porque isso já é justo o que faço às minhas custas.

Belo Horizonte, 04 fevereiro 2010

INDOLENTE

A noite, enorme. O silencio, sábio de sua presença, amplia a consciência do ser. O ser, exposto ao universo da noite, reconhece o sentido do dia. Luz e treva.

A palavra, ausente. A espera, emudecida. O sentimento, ferido pela ação traiçoeira que faz da noite seu esconderijo. A revelação, presente. Treva e luz.

A força, presente. E da atitude nenhuma, a ação covarde de quem esquiva-se da evidência. O estar, exposto à mesquinhez de sua própria ação. Reflexo do agir confundido por ele mesmo. Luz e treva no castigo cultivado pela indolência.

Belo Horizonte, 13 julho 1999

8 comentários:

angela disse...

Legal sua posição frente a ofertas que não perguntam sobre suas prioridades.
Dois textos muito bons.
beijo

Mariana Dore disse...

imaginei agora uma pessoa olhando pela janela uma paisagem chuvoa e pensando em tudo que disse nesse segundo texto.

;D

Anne Lieri disse...

Cadinho,tem muita gente sem imaginação que adora copiar as ideias dos outros.Ainda bem que vc fica esperto!Quanto á poesia,não poderia ser mais bonita e apropriada.Pela indolencia muita gente deixa passar momentos fundamentais da vida!Abraços,

Luh* disse...

Odeio isso, pessoas que imitam as outras!
beijos

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Cadinho.
Obrigado pela visita ao meu blog e pelo comentário. Sobre o post prefiro não comentar por se tratar de um assunto que não estou por dentro.
Forte abraço

Nathi disse...

Olá! Muitíssimo obrigada pela visita, uma verdadeira surpresa!
Mais surpresa ainda foi a volta da visita, seu blog é demais!

Parabéns pelo trabalho!

Não sei muito bem do que se tratou seu primeiro texto, mas o segundo, poesia...é sempre bem aceito na minha alma!

Um Beijo! Nathi*

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

A falta de criatividade sempre vem agarrada à essas ofertas que surgem do nada. Olhos abertos sempre!

até mais.

Jota Cê

Daniel Savio disse...

Cara, que bom para o Folhetos do Cadinho Roco, pois já tem tempo que você tenta aumentar a abragência (se não engano, o teu patrocinador é de Santa Cantarina, ai tendo um patrocinador mais perto vai te ajudar)...

Fique com Deus, menino Cadinho.
Um abraço.