Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quinta-feira, 29 de abril de 2010

SILENCIOSO

Por um instante eis que pronunciado sou pelo amor

SILENCIOSO

Quando em tudo

O amor se pronuncia

Eis que mudo

Sigo pela via

Distante e sombria

Que lá do fundo

Deste mundo

Transmite a fria

Insinuação de gesto

Alheio ao manifesto

Deste palpitar solitário

Que atravessa o rio

Vida que de resto

Viaja em silencio sombrio.

Belo Horizonte, 29 abril 2010

MISÉRIA LETAL

Será feitiço? Fantasmas da “ditadura financeira”. Deve ser isso. Ou então, interferências inoportunas a confundirem oportunidades. Já que tudo passa, resta esperar a tal passagem.

Reagir. Mas, das reações outras aparições. Melhor dizendo, nada aparente. Tudo na sutileza de estranho procedimento.

A necessidade do patrocínio agindo como questão de sobrevivência. Para ser ainda mais preciso, a vida carece de estímulos básicos a exigirem recursos. Sem o patrocínio, a miséria letal.

Belo Horizonte, 16 fevereiro 2001

17 comentários:

Ana Maria disse...

Como é bom ser pronunciado pelo amor!
Cadinho, o Atelier dos Tapetes está em festa, 2 anos e 100.000 visitas. Vc está convidado a tomar champanhe, faça uma visita. Tem mimos também.
Obrigada por sempre visitar o blog Fotos e Imagens Curiosas.
Beijinhos!

Sônia Silvino disse...

Grata pela visita! Venha sempre!
Teu post demonstra que as coisas vão e voltam. Os problemas se repetem...
Bjkas, muitas!

Magui disse...

O amor é a única coisa que vale a pena; todas as suas vertentes.
Qt ao patrocínio... Realmente...

Chica disse...

Lindo teu poema,Cadinho e teu blog está com um lindo visual.abraços,lindo dia!chica

Lady disse...

Bom dia!
Belíssimo poema!
Quando somos guiados pelo amor, tudo muda, tudo vale a pena.
Beijo carinhoso
LADY

Misturação - Ana Karla disse...

Vim agradecer a presença no Misturação. Volte sempre.

Esperar o tempo passar é o racional, mas novamente esperar e esperar. Avante!
Adorei teu texto.
Xeros

Daniel Savio disse...

Engano me, mas a postagem está mais sombria...

Fique com Deus, menino Cadinho.
Um abraço.

Ingrid Scherdien disse...

Aqui na região metropolitana do Rio Grande do Sul, temos poemas nos trens e ônibus. Seria interessante ver um texto seu!

Abraços.

Georgia disse...

Belo poema, Cadinho

Rose Dayanne disse...

Quisera eu um mundo menos capitalista e com sentimentos gratuítos... Aliás, se esses não são gratuitos, não são sentimentos..

Gustavo Rangel disse...

bacana parceiro!

legalmente loira... disse...

cadinho,
lindo poema! suas paginas são lindas
o blog espetacular.bjos.

O que a memória ama, fica eterno.
Te amo com a memória, imperecível.
Adélia Prado

"Cantinho Poético" disse...

Na minha memória, tão congestionada e no meu coração tão cheio de marcas e poços você ocupa um dos lugares mais bonitos".

(Caio Fernando Abreu)


Agradeço sua amizade e seu carinho....M@ria

"Cantinho Poético" disse...

Na minha memória, tão congestionada e no meu coração tão cheio de marcas e poços você ocupa um dos lugares mais bonitos".

(Caio Fernando Abreu)


Agradeço sua amizade e seu carinho....M@ria

Janaina disse...

Esse mês para mim está dificílimo,quero que passe logo.
O problema foi que acreditei em que não deveria,o mê de janeiro me complicou e o de abril piorou e pior:fui roubada.Abraços.

Vozes de Minha Alma disse...

(Poeta, errei ao digitar e por isso exclui o comentário anterior).
Mas quero lhe desejar meu boa noite, e dizer que o amor permanece.
Meu abraço fraterno.

Eliana Lee / Lu Maria disse...

Um amor que silencia, e que ainda assim fala e é entendido, tem o poder de transformar e reconstruir a vida!

Muito axé.
Lu Maria