Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 16 de maio de 2010

MESA VAZIA

Tão ruim se sentir distante
MESA VAZIA

Em meio ao silencio
Desfio do vazio
Este instante sombrio
Este estar no frio
Instante que vivencio
E que então alio
Ao dizer do desafio
Sem permitir qualquer desvio.
Em meio à indiferença
Abro meu coração em crença
Transformo ausência em presença
Esquivo-me de qualquer desavença
Para que em mim então vença
O amor que faz toda a diferença.

Campos, 16 maio 2010
A ESMOLA
O interessante foi perceber o quanto eu não sabia fazer aquilo. Algo tão simples e ao mesmo tempo tão negado. O hábito da recusa atrofiou o gesto, capturando de mim sentimento e sensibilidade.
Ter e não ter. Ter e não dar. Em resposta, a doação do repúdio a deixar paladar e coração secos. Depois, o esquecimento, a distração e a conseqüência vinda de outra direção, criando espanto, mistério e incompreensão.
Era uma anciã. Ela queria comer um pastel. Pessoa simples, feição sofrida, semblante de abandono. Ela estendeu a mão frágil e com voz enrugada, pediu-me esmola para saciar sua fome. Dei a ela minhas moedas. Dela recebi a graça de arrancar-me da miséria. Ela saciou a sede do meu paladar e do meu coração.
Belo Horizonte, 20 junho 2001

13 comentários:

Andreia disse...

O que há de tão belo em estender a mão a teu irmão quando necessita de ti!
O que dói no ser que não é capaz de sentir está tão sublime emoção de saciar-se a si próprio ao estender a mão ao desconhecido irmão!
O que vai dentro de ti ao matar a sede de se descobrir Humano e ser capaz de reconhecer um pouco de si mesmo naquele que a ti pedi ajuda!
Ajuda mais a ti que a ele, alimenta a alma e lava o coração.
Beijo na alma...

bruxamarytsha disse...

Belo poema, bela troca com a anciã, beijocas

Maria Flor! disse...

Belissímo poema.
Meus aplausos!

continuarei por aqui te lendo...

Beijos

José Doutel Coroado disse...

cito:"o interessante foi perceber o quanto eu não sabia fazer aquilo"
sábias considerações perante um mundo em que quase todos achamos tudo sobre todos.
abs

Daniel Savio disse...

Cara, mas as vezes é necessário um desafio para a gente evoluir (pois nunca tomamos isto por vontade própria)...

E prefiro dar um lanche direto a pessoa, do que dar o dinheiro prontamente.

Fique com Deus, menino Cadinho.
Um abraço.

Valéria Sorohan disse...

Realmente o amor faz toda a diferença, digo isso com relação aos dois poemas.

BeijooO'

Vivian disse...

...mesa vazia não.

repleta de poesia!

bj, generoso coração!

Micha Descontrolada disse...

ajudar ao próximo ajuda mto mais a nós mesmos...

/(,")\\
./_\\. Beijossssssssss
_| |_................

Sonhadora disse...

Meu querido amigo
Lindo poema...adorei.

Abro meu coração em crença
Transformo ausência em presença
Esquivo-me de qualquer desavença
Para que em mim então vença
O amor que faz toda a diferença.

Faz mesmo...sem amor é silêncio ausência.

Beijinhos
Sonhadora

lis disse...

... " dei a ela minhas moedas . Dreça recebi a graça de arrancar=me da miséria."
Aí está a razão de doar .
Lindo e pra refletir.
abraços
obrigada pela mesa nao vazia.

JuJu disse...

Adorei o poema, Cadinho. Retrato perfeito da solidão... Como uma mesa vazia pode doer tanto.
...
Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!

Talles azigon disse...

o vazio o vazio

as vezes fico eu completo de vazio.

Isadora disse...

Oi Cadinho belos poemas, porém uma mesa vazia de certo é muito triste. Vou me corrigir a mesa vazia não, a solidão quando nào desejada é triste.
Um beijo