Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quinta-feira, 29 de julho de 2010

DUAS OBSERVAÇÕES

Precisamos de dar atenção ao que envolve a vida de muita gente

DUAS OBSERVAÇÕES

Não é preciso ser tão esperto para perceber a quantidade de peões que embarcam diariamente de Belo Horizonte para Campos dos Goytacazes – CDG e São João da Barra – SJDB em busca de trabalho.

Aqui, duas observações:

A primeira dirigida à Viação Itapemirim que deve avaliar com mais critério situação dos horários relacionados às viagens de Belo Horizonte – CDG – Belo Horizonte. É evidente haver a necessidade de, em virtude da distância, oferecer ônibus mais confortáveis e até com preços diferenciados para que tenhamos todos atendimento no mínimo mais respeitoso.

A segunda dirigida, em particular, às autoridades de SJDB, para que avaliem com atenção o que tem atraído essa quantidade de gente para o município.

O que parece representar progresso poderá é estar promovendo violento retrocesso à realidade de SJDB.

Belo Horizonte, 29 julho 2010

ROBIARA

Alto, magro, cara sofrida. Sua idade, uns cinqüenta anos. Barba e cabelos grisalhos a escaparem do chapéu escuro com abas largas. Botas com canos até os joelhos, pretas como todo resto da vestimenta protegida por vasta capa.

Um homem do mato, silencioso e observador. Tímido cumprimento abrindo possibilidade de conversa. As cadelas, como que por encanto, parecem duas estátuas sentadas à beira da fogueira. Sem mais o que fazer estendo a mão. Língua de fogo aquece o balanço lento dos braços. Da voz, homem convida para sentar. Quero saber quem é aquele homem que parece não querer saber quem sou eu. Mesmo assim, digo meu nome como estímulo para que ele faça o mesmo. Homem aponta para o cavalo dizendo ser ele o Robiara, nome vindo do tupi-guarani, que significa: ter confiança em. Presente que ganhou de um índio amigo, faz tempo.

Na expressão do cavalo, mistério. Mas quem é este homem?

Belo Horizonte, 29 novembro 2002

5 comentários:

*lua* disse...

Esse texto exala profundidade, simplicidade, e apelos de confiança. O índio apresentou quem ele achara mais importante no momento, pois tinha um significado de amizade inserido! Reflexões mil! Beijo

Valéria Sorohan disse...

Como é bom depois parar aqui e sentir os cheiros de Minas Gerais. Adoroo!

BeijooO*

Sonhadora disse...

Meu querido
Um texto muito profundo.

beijinhos com carinho
Sonhadora

Thaís. disse...

É sempre bom te ler! Adoro estar aqui.

Cleo disse...

Oi Cadinho!
Depois de longa data eis-me aqui novamente....rsrsrs.
Hum...e afinal, Batistão conheceu então João da Barra. Legal. Espero que vocês dois façam grandes negócios.

Bom fim de semana.
Beijos!
Cleo