Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 22 de agosto de 2010

FAZENDO AMOR

Fazer arte é fazer amor

FAZENDO AMOR

Todo trabalho quando reconhecido tende a crescer, a melhorar e a estimular feitos maiores e mais qualificados. No entanto, quando o trabalho é exigido sem oferecer resposta compatível ao rigor a ele proposto, tende a dar sinais de exaustão, fastio, desânimo, desalento. O que vale dizer que todo trabalho merece e precisa ser reconhecido e valorizado.

Ao pintar painéis que pinto, óleo sobre tela, é evidente que exercito a sensibilidade e a percepção dos traços extraídos do sentimento também impregnado de esperança. Por isso é que quando entro em contato com o processo criativo, preciso de estar bem e com sintonia alinhada naquilo que de fato busco e quero transmitir que, por excelência, é o amor. Por isso é que ao pintar entro na façanha que é o fazer amor em movimentos transmitidos ao óleo sobre tela.

Belo Horizonte, 22 agosto 2010

SAUDADE REPENTINA

São cinco horas da manhã e o barulho é de um trem que parte. Despertado pelo escuro do quarto, vou embora com o trem que passa por Moeda rumo ao Estado do Rio. Trilho no aço estreito que cava trilha entre barrancos sombrios trazendo lembrança de lenha no fogão de Dona Quinha, que faz janta e almoço, faça sol ou faça chuva, em seu modesto restaurante próximo à estação ferroviária. Suas unhas enegrecidas pela fuligem de incansável trabalho, dão vida ao cumprimento de chegada e ao aceno de incessantes despedidas.

São maquinistas, viajantes famintos a comandarem dezenas de vagões.

Em Coroa Grande, na costa sul fluminense, passa o trem vindo de Minas Gerais. No escuro do quarto respiro a maresia de uma saudade repentina.

Belo Horizonte, 09 junho 2003

12 comentários:

Marilu disse...

Querido amigo, essas memórias tornam-se tão reais, por um instante parece que estamos vivendo tudo novamente...Depois fica a saudade...Beijocas

Vivian disse...

...fazer amor com que se gosta,
é como degustar fruto maduro
no pé.

colocar a alma no que se faz,
é ter o orgasmo do prazer
ao ver o sonho realizado.

não dá pra separar o amor
da emoção.

assim como não dá para existir
Cadinho sem a arte...

................

quando ao longe ouço um apito
de trem, deixo que meu coração
viaje nos remansos da saudade...

bjbj, querido!

Luís Coelho disse...

Gostei muito do Comentário da Vivian e parece-me que ela disse tudo.

"não dá para separar amor de emoção"

Thaís Nolasco. disse...

Obg por me seguir, e obg pelo comentário. E a propósito, adorei seu post :D Beijos ;*

Daniel Savio disse...

Faz tanto tempo que vi um trem que quase foge a mente, pena que tenha mais linha de trem para transporte publico...

Tudo que fazermos com amor fica bom.

Fique com Deus, menino Cadinho.
Um abraço.

Nini C . disse...

Saudade é o que resta de uma imensidão =[
Gostei.

Dona Sra. Urtigão disse...

Tem coisas que não cabe comentar, apenas (apenas?) aproveitar, deleitar-me nelas.
Nessa forma linda de perceber o trabalho, o amor, a viagem, a saudade...


( benzadeus!!!)

Carrie disse...

Concordo com o fazer amor... Quando colocamos amor em td q fazemos, tenho a certeza de q fazemos mto melhor.
Voto zero é uma m... tem mta gente q não faz, mas se o Brasil td fizesse seria show!! Tá na hora de renovar o congresso td!!

Valéria Sorohan disse...

Fui lendo e visualizando tudo, valeu pela emoção.

Amélie Bouvié disse...

Fazer amor... ahhh, como é bom!

Beijos meu querido.

Mariana disse...

Tudo o que fazemos com o coração fazemos com amor, portanto fazemos amor constantemente.

JuJu disse...

Essa coisa que você sente com suas telas é a mesma que sinto com as minhas histórias em quadrinhos e outros escritos hehe. Aliás, você devia mostrar algumas dessas telas para nós, se são assim tão bonitas. Mostra, vai, mostra!...
...
Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!