Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quinta-feira, 17 de março de 2011

HORA DE APRIMORAR

Não dá pra resolver problema sem oferecer solução

HORA DE APRIMORAR

Natural que com o fim da temporada do verão a lotérica em Grussaí fique com menos fila. O movimento diminui, mas isso não quer dizer que a dificuldade das pessoas mais humildes e desprovidas de conhecimento esteja diminuída. Por isso mesmo é que a fila na lotérica de Grussaí poderá diminuir, mas continuará presente e em alguns momentos é certo que causando singular transtorno. Razão para que a Caixa Econômica Federal - CEF aproveite ocasião e pense na instalação de máquinas para atendimento automático, mas sem prescindir de alguém que recepcione as pessoas mais necessitadas de informação.

É isso que a CEF precisa assumir como parte do seu trabalho que jamais deverá faltar com o respeito às pessoas por ela atendidas.

Grussaí, 17 maio 2011

PEIXES NA CHUVA

Contasse para mim penso que também teria dificuldade em acreditar. Mas o que conto aqui não foi caso contado e sim visto testemunhado por estes meus olhos.

Era noite e iniciou-se chuva cada vez mais forte. Foi de repente que então senti a chuva entrando no quarto pela janela veneziana aberta, sem molhar chão nada. Era como um leito rio de chuva margem disforme indo direto ao aquário.

O que era aquilo?

Foi aí que percebi peixe por peixe entrando nas gotas da chuva e nadando rumo a ela atravessando veneziana e sumindo no espaço. Os sete peixes partiram levando chuva do quarto, aquário sem elas e eles.

Depois de muito tempo, chuva anunciando estiagem voltou a criar mesmo fenômeno trazendo peixe por peixe ao aquário.

Eu sem palavras, qual peixes que nada falam.

Mas senti aquele macho mais velho do aquário dizer que presenciei um dos tantos segredos de suas vidas existências.

Por serem livres conseguem sair do aquário com a vinda da chuva. Ao sétimo pingo parte o primeiro peixe e a cada sete pingos parte outro. Mas, para isso é preciso viverem sete peixes no aquário.

Tivesse eu dormido diria ter sonhando. Mas, para maior certeza, aquele peixe de um salto lançou água em meu rosto Ele rindo disse ainda ser eu tão distraído, que nem percebi haver na palavra aquário sete letras.

Foi assim que ao sétimo piscar dos meus olhos confirmei o que vi presenciei. E nem sei porque contei as sete piscadas.

Belo Horizonte, 20 Dezembro 2006

8 comentários:

Zil Mar disse...

Oi....

Que conto mais gostoso de ler....

Me encantei com suas palavras...


meu carinho e admiração!


Zil

Sônia Silvino disse...

Fiquei só imaginando a cena!
Beijos, meu querido!

Ana Agarriberri disse...

Retribuindo a visita e comentário lá no Molhe-se, sempre bem-vindo. Beejo,beejo. Seguindo-te.

Vestido de Rodar disse...

Olá! Que trabalho lindo você tem! Parabéns! Minha mãe pinta também, mostrei e ela ficou impressionada! Muito obrigada pela visita. Como conheceu meu blog? Abraço e muito sucesso! Rejane

Perola disse...

Obrigado meu querido pela visita.
Gostei do seu conto,me lembrou o peixe Nemo rs.
Parabéns.
Beijo grande.

Néia disse...

Oi querido...
Que causo lindo, mas tá parecendo história de pescador...A fantasia e o sonho me move e me faz sempre ir além, muito além do que eu mesma posso imaginar. Adorei suas visitas nos dois blogs é sempre um prazer ter vc por lá.
beijos e até

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? A Caixa Econômica Federal é a agência mais lotada de todas.. Fujo mesmo kkk.. Já as lotéricas trilham o mesmo caminho.. Abraços, Fabio www.fabiotv.zip.net

Aleatoriamente disse...

Olá Cadinho a conta dos 7 já é bem conhecida rsrsrs.
Mas gostei do texto inteiro, você escreve com sabedori e a agente vai ficando , ficando e quando percebe MARAVILHA!

Beijo
Fernanda