Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

MUITO RUIM

Chato quando somos surpreendidos pela ingratidão

MUITO RUIM

Quando digo que creio naquilo que faço, não digo isso à toa.

Quando enalteço a seriedade que imprimo imponho sobre o que faço, não anuncio isso à toa.

Quando dou fé ao trabalho dedicado aos folhetos mantidos em ritmo constante e estável já por mais de uma década, não assumo isso à toa.

Quando sou chamado, convidado ou solicitado pra fazer trabalho fora, não escondo receio em ficar exposto ao que faz parte do meu propósito em fazer o que faço com máxima seriedade. E se aqui hoje agora escrevo digo isso, é por estar diante de acontecimento que causou-me surpresa e desalento, constatação e revelação de que não dá mesmo pra gente agir contra nossa própria natureza.

Busco, preciso, trabalho firme para obter ganho necessário ao meu viver. Faço isso aqui de maneira independente e firme. Já o que faço, ou fiz, fora daqui e que depende de outros feitos para que tudo termine bem, essa ação não tem a mim trazido resposta boa, o que é muito ruim.

Belo Horizonte, 10 outubro 2011

DELIRANTE

Preciso da realidade para viver mas confesso que já não dou confiança pra ela. Ouço falar em crise e logo sou impelido ao bocejo porque dessa palavra tema vem cada discurso que não vale sequer ser mencionado. Chega a ser engraçado, porque o que vem de mentira por essa enxurrada de pareceres não está escrito. É quando os cretinos se aliam aos idiotas que se aliam aos oportunistas, que se aliam aos corruptos, que se aliam às platéias inflamadas por jovens muito bem vestidos e com semblante de entendidos. Tudo dando volta no escuro do buraco que não sabem sequer medir.

Pra resumir, estamos em meio a uma piada sem tamanho que na realidade esconde a realidade dela mesma que por sua vez não esconde os infindáveis delírios estampados a dimensões inacreditáveis.

Belo Horizonte, 11 dezembro 2008

4 comentários:

Ivana disse...

É muito difícil mesmo ser vítima da ingratidão, mas continue sendo como é: honesto, digno, ético e sincero. Um abraço e espero que tudo fique bem.

Valéria Sorohan disse...

O olho do artista capta a fala do artista: a palavra salta. e de súbito indaga: tudo já foi dito? nem ainda começou.

BeijooO*

Carla Ceres disse...

Oi, Cadinho! Quando desrespeitam nosso trabalho, é muito ruim mesmo. Abraço!

Carmem L Vilanova disse...

Grande amigo...
Que felicidade poder vê-lo por meu cantinho outra vez...
Diz o ditado que "a ingratidão acaba com a afeição" e nada mais certo... seja qual for o tipo de agrado que tenhamos por algo ou alguém, é totalmente minado por atitudes e sentimentos de ingratidão...
Bom, muito bom!
Beijos, flores e muitos sorrisos!