Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

SITUAÇÕES DELICADAS



Tem hora que o tempo parece sumir
SITUAÇÕES DELICADAS
Existem momentos na vida que são mesmo delicados. Por força do hábito existem ocasiões que caso não tenhamos comportamento adotado por todo mundo ficamos qual peixe fora d’água querendo respirar e voltar para o nosso habitat.
     A questão é que nem sempre dá pra gente fazer o que quer. Dia desses recebi telefonema da Cláudia que estava organizando uma festa lá no bar do Otávio, que quem conhece sabe ser um bar caro. Ela então explicou-me como funcionaria, preço de entrada e lá dentro o consumido seria pago normalmente.
     Eu sem dinheiro confesso que ainda tentei ir, mas não deu.  A falta do dinheiro exige certos afastamentos, não há como ser diferente. Da mesma maneira que quando falta o dinheiro, não dá pra sair por aí comprando presentes para festividades de final de ano. Mas também se não damos nada pra ninguém ficamos mal, somos induzidos a, no mínimo, estarmos preparados para toques, comentários, ou meras atitudes silenciosas e nos colocarem pra fora d’água numa boa, sem o menor constrangimento.
Belo Horizonte, 26 dezembro 2012
ESTOU AQUI
     Uma hora da manhã. Silêncio. Alguma interferência no ar. Mas ela permanece viva em minha lembrança. Quieta e distante. Eu próximo.
     Uma hora da manhã, na noite exposta aos mais vivos contrastes desse tempo que nem sei se de fato existe. Ela existe. Sua presença em minha lembrança confere esse instante marcado pelo mais puro sabor da ausência. Como desconheço o seu endereço, não sei onde ela poderá estar agora. Estou aqui.
     Uma hora da manhã. Pensando bem, ela também está nesta uma hora da manhã. Aliás, se penso nela, ela está em meu pensamento. Estamos aqui.
Belo Horizonte, 22 Fevereiro 1999

3 comentários:

Paula Barros disse...

Somos levados ao consumismo, ao quer receber presentes, a querer dar presentes, e começamos a medir "amizades", pelo presente dado, e passamos a medir nosso valor pelo presente recebido. Reclamamos do capitalismo, sem nem nos darmos conta que alimentamos ele que tem uma fome enorme.
E quanto a lembrar de alguém, é bem assim como descreveu.
abraço, um 2013 de paz, saúde, arte, dinheiro....abraço

MINHA VIDA DE CAMPO disse...

Tudo gira em função de dinheiro, procuro me afastar desses consumismo e de quem é o que tem. Temos que viver e ser o livre desses rótulos, mas há sempre pessoas maravilhosas que iluminam nosso caminho. Isso ai pensamento firme que as coisas boas acontecem.
Quero te desejar um ótimo 2013 com muita saúde, sucesso e felicidade e que neste novo ano estejamos compartilhando muitas alegrias. Obrigada pela sua companhia e amizade.
Feliz 2013!
Anajá

Claudete disse...

Cadinho, querido, o Amor está sendo banalizado quando compromissado no dar e receber apenas bens materiais, são necessários, mas não os principais numa relação onde "O Amor é amado", entende? Não fique triste, as vezes falta um pouco de sutileza e as pessoas não agem por mal. Não se isole , doe o que você tem de melhor:generosidade . BOAS fESTAS!