Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sábado, 28 de dezembro de 2013

XAMÃ PENSANDO

SÉRIE XAMÃ dos Folhetos Cadinho RoCo
XAMÃ PENSANDO
     Quantas pessoas conheço no mundo?
     Quantas pessoas me conhecem no mundo?
     Alguém saberá fazer as contas das pessoas que conheço e que me conhecem no mundo?
     O que são as contas, os números, os totais?
     O que é conhecer ou ser conhecido de alguém?
     O que é isso que tanta inquietação me causa nessa vontade de morder  e entender os sabores, os sentidos, as consistências a desafiarem esses meus dentes de cão filhote?
     Ouço perguntas que querem saber o que não sei. Sou cão de verdade sem mentira, Xamã de nome vindo a fazer de mim alguém nesse mundo que me dá vontade de ser bom.
     É isso o que ouço e traduzo do cão Xamã que fecha seu relato com frase marcante:
     Prefiro latir a ter que mentir.
Belo Horizonte, 28 dezembro2013
REPÚDIO
     Fiquei mesmo surpreendido com tamanha manifestação de apreço do Cavaleiro da Meia-Noite pelo Rio das Velhas. Sem que eu nada perguntasse ele continuou a falar.
     - Confundiram e continuam confundindo tudo. Sujaram e continuam sujando tudo. São gestos e omissões que vão deixando tudo acontecer como se nada estivesse acontecendo. E o rio vai passando e sendo inundado por tudo aquilo que dele tira a vida.
     Mataram o nascimento de peixes, destruíram a transparência da água, sufocaram sua vegetação e como se isso não bastasse, deram-lhe cheiro de podridão. Mas o rio resistiu e continua resistindo como pode. O que nasceu para ser extensa fonte de vida, parece condenado à morte. Mas o rio não morre, não se entrega e nem se permite ao esquecimento.
O Rio das Velhas que é o Guaimiy antes do Brasil ser Brasil, merece trato da memória. Ao invés de excrementos, homenagens. Ao invés de lixo, atitudes que possam liberta-lo da sujeira.
     O Rio das Velhas é obra de Deus que não nasceu para ser a destruição do homem e da vida. O Rio das Velhas é sagrado.

Belo Horizonte, 12 dezembro 2002

2 comentários:

Laura Santos disse...

Uma bela tradução do que é apreendido sobre o comportamento e a linguagem de Xamã; "Prefiro latir a ter que mentir"...:-)
O Rio das Velhas é sagrado como todos os rios, mas parece que o homem "evoluído" deixou de respeitar a Natureza...:-(
xx

Célia Rangel disse...

... Ah! Como muitos deveriam aprender com Xamã... antes latir que mentir"... É para se pensar nisso!
Abraços de Ano Novo!
Célia.