Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

MOMENTO RUIM



SÉRIE XAMÃ dos Folhetos Cadinho RoCo
MOMENTO RUIM
     Com os nervos à flor da pele trato de ficar quieto e bem quieto no meu canto. Esgotado pela pressão da sobrevivência dou voltas e mais voltas em meu pensamento, Xamã de longe observando tudo. Chega perto não porque passo por momento ruim. É muita descarga negativa, é muita necessidade de resistir.
     Xamã choraminga querendo dias melhores. Eu quieto rezando por dias melhores.
Belo Horizonte, 06 fevereiro 2014
BARCO ATRACADO
     Quanto mais um trabalha, menos chance tem o outro de trabalhar. Confundir competência com subserviência está mais para o engano do que para a realização. O que demonstra a mais evidente ineficácia. Uma coisa é querer fazer, outra é só querer ganhar do fazer qualquer. Querer ser não é o mesmo que ser do querer qualquer.
     Não há crescimento no corte, na amputação ou na limitação. Crescer é permitir-se ao avanço de conquistas, é ampliar possibilidades. Comandar o barco não é ser por ele conduzido. Conduzir o barco é abrir caminho que dê a ele direção certeira e segura. Mas como querer chegar a algum lugar mantendo o barco atracado?
Belo Horizonte, 02 junho 2004

7 comentários:

Cantinho da Selminha disse...

Está vida não é mole né Cadinho, mas não podemos desistir, ainda bem que temos anjos de 4 patas do nosso lado, a minha me dá tanta forçaaaa, não sei o que seria de mim sem ela :) , abração!

Bell disse...

Cadinho

Acho que o ser humano nunca está satisfeito com nada. Queremos dias melhores, coisas maiores.
A cabeça rodopia nos problemas, mas temos que manter a calma e buscar a paz interior.
E neste mundo tão difícil, buscar a paz interior nem sempre é fácil;


tenha um lindo dia =)

Carla Ceres disse...

Você disse a palavra certa, Cadinho, é um "momento". Momentos ruins pedem paciência e fé. Acredite, vai passar. Abraço!

Célia Rangel disse...

Cadinho!
Sempre que nos sentimos castrados, escravizados, precisamos com urgência acharmos uma saída. Não se entregar nunca! São parendizados de vida!
Abraço.

Dorli disse...

Oi Cadinho,
Eu também fui atacada, mas estou me cuidando.
Não é mole não...
Força amigo e é o que estou tentando.
Beijos
Lua Singular

nelma ladeira disse...

Boa noite Cadinho.
Vim agradecer o seu comentário e sua visita.
Volte mais vezes,será muito bem vindo.
Voltarei para ler os seu textos com mais calma.
Boa noite.

Lilá(s) disse...

Há dias assim...há que resistir a estes tempos difíceis.
Bjs