Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

PERMISSÃO



SÉRIE XAMÃ dos
FOLHETOS CADINHO ROCO
PERMISSÃO
     João da Barra dialoga com Xamã e diz ser isso possível quando nos permitimos ao amor.
Quando libertados pelo amor passamos a usufruir da nossa sensibilidade ampliada e por isso mesmo com capacidade de percepção por demais potencializada. É por aí que conseguimos romper distâncias, é por aí que nivelamos diferenças, é por aí que abolimos o receio abrindo dimensão para o que se torna possível aos nossos sentidos.
     Para o amor não existe limite, não existe divisa, não existe fronteira. Para o amor não há mal que sobreviva ao bem, por haver em seu desempenho o que nos propõe ampla liberdade a resultar em saudável crescimento.
Belo Horizonte, 05 dezembro 2014
SOL QUENTE
     Em silencios da casa vazia, pensamentos muitos tantos sonhos em busca de outros, suceder de dias noites assim. Vozes nenhumas nos telefonemas não acontecidos, nas vindas deixadas de vir e na empolgação dela com o carnaval ainda não vivido. É trabalho na exigência do tempo folga ainda por surgir.
     Eu e cavalo Noturno longe de tudo. Cavalgar que alcança beira do mar areia macia, sol quente, água pra todo sal do mundo.
Belo Horizonte, 27 fevereiro 2006

4 comentários:

Bell disse...

O amor é o maior sentimento do mundo =)

lis disse...

Bonito poema de amor nesse diálogo amoroso _transmite a paz que sentimos quando o amor invade sem muros e distâncias.
meu abraço Cadinho

✿ chica disse...

Linda mensagem e que o amor sobreviva e se sobreponha sempre! abração,chica

Carla Ceres disse...

"Para o amor, não há mal que sobreviva ao bem." Perfeito, Cadinho. Abraço!