Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

MAGRELA DAS GRAÇAS

É só uma questão de crença

MAGRELA DAS GRAÇAS

Basta que olhemos com um pouco mais de atenção para a bicicleta e perceberemos sentiremos que ela pode não ser só uma bicicleta.

Basta se permitir ao sentimento para constatar que a bicicleta nos remete a lembranças, momentos, lugares, situações e encontros diversos.

Depois de fechar negócio, comprar e levar a bicicleta, eis que penso em todo percurso de compra que vivi e que culminou no tão famoso Senhor Chico da Garagem. Homem simples, calmo, atento e experiente. Em meio a peças e reparos o Senhor Chico sabe cuidar de uma bicicleta como ninguém mais em Grussaí.

Uma bicicleta não é só uma bicicleta. Por isso mesmo é que a bicicleta hoje minha passa a ser tratada como MGD, a Magrela das Graças. E só depois da aquisição dela foi que percebi dois interessantes detalhes que considero como sinceros sinais.

O fato da MDG ser azul mostra agora aos meus olhos o azul que me remete à cor da Nossa Senhora das Graças. E quando dou por mim, eis que percebo ter adquirido a MGD em 27 de novembro, dia dedicado à Nossa Senhora das Graças. Se é assim, nada mais justo do que batizá-la com o nome Magrela das Graças.

Belo Horizonte, 07 dezembro 2009

NA CERTEZA DO INCERTO

Da estrada o chão

Destino em terra

Semente que cresce

Amadurecendo a vida.

Carne poeira

Lágrimas em grãos

Pétalas nos olhos

Sonhos perfumados.

E da esperança

O dia que vem

Trazendo outro melhor.

E da vontade

O gesto que vem

Provocando outro talvez.

Belo Horizonte, 19 maio 1998

13 comentários:

Daniel Savio disse...

Cadinho, já pensei em dar nome a minha bicicleta, apesar de já ter passado pela minha cabeça...

E não se planta apenas na terra, também se planta nos coraççoes da pessoa...

Fique com Deus, menino Cadinho.
Um abraço.

Conceição Duarte disse...

Cadinho querido, acredito que um gesto, sempre provoque outro, por isso mesmo, o bem tem que ser feito... Um beijo grande, e boa semana querido, CON

angela disse...

Parabéns pela aquisição de sua magrela e Parabéns pelo poema tão belo.
beijos

Hod disse...

Alo Alo Cadinho;
Confirmou-se as expectativas...

Mengo campeção, Inter Vice, Grêmio deu um calor no Campeção e afastou as especulações paulistas e gauchas de entrega de jogo e O Grande Cruzeiro está na Libertadores....

Forte abraço para o amigo,

Hod.

Sandra Botelho disse...

Lindo poema...
Nos leva a refletir...
Tenha uma linda semana.
Bjos no coração!

Anne Lieri disse...

Cadinho,que texto maravilhoso postou hoje!Uma bicicleta é mesmo mais que uma bicicleta!Quantas lembranças deliciosas de infancia!A sua é muito linda,toda azul,como o manto de Nossa Senhora!Não é apenas mera coincidencia!Bela demais sua poesia!Abraços,

paula barros disse...

Tive uma bicicleta azul, me trouxe lembranças.

Bons passeios e boas histórias.

abraços

Zeze disse...

Olá

Na certeza do incerto, os dias nascem uns atrás dos outros, e isso dá-nos esperança...

Um Abraço

claudete disse...

É isso aí amigo, nada acontece por acaso e você precisa da proteção de NªSª das Graças, sempre, de dia e nas noites que haverão de vir. Se a bicicleta passou a ser uma companheira nada melhor do que este carinho.Sinto-me lisongeada pela lembrança e também pelo "recado" dela, não devo relaxar a "guarda" e amanhã (08/12) é dia consagrado à Imaculada Conceição, reverenciado aqui no Morro de Casa Amarela que leva seu nome. No Recife é feriado neste dia santo. Abraços.
recebeu o cartão de Diana?

Mônica disse...

Eu não aprendi andar de bicicleta paesar das ajudas de meus irmãos
Mas aproveito que amnha é dia de Nossa Senhora da Boa Viagem para pedir a ela que o abençoe
Estive em Santo Antonio do Amparo sem internet.
Com carinho Monica

Luciana P. disse...

Pois a minha anda encostada a um canto, sem prazo pra sair. Mas vc tem razão, ela nos remete a doces lembranças pelas quais passamos. Abs

M@ria disse...

Parabéns pela visita e pelo belo poema.
Volte sempre.....Boa Noite!!

Brazilina disse...

Na certeza do incerto... muito interessante a mistura do humano com os elementos da outra natureza. Tudo é tão vivo e tão indispensável que realmente se fundem. Beijos