Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

MUNDÃO



Temos todo tempo do mundo
MUNDÃO
     O tempo de um não é o tempo do outro porque cada um tem seu tempo, sua pressa, sua espera, sua necessidade, sua vontade. Por isso é que o que para um pode parecer lento, para outro poderá sugerir pressa. Por isso é que então cometemos adiantamentos e atrasos em nossas vidas.
     A necessidade de cada ser é uma e ainda que possa sugerir semelhança com a outra, não é igual. Razão pela qual devemos sempre valorizar a compreensão capaz de fazer com que percebamos de maneira mais amorosa e menos rancorosa a necessidade, o tempo, a busca e o querer de quem convive conosco nesse mundão de todo tamanho.
Belo Horizonte, 22 janeiro 2013
DESAPAREÇO
     No fundo do mar, o amor sufoca. Que mar? O mar que salga o amor. Que amor? O que inunda o mar de lágrimas.
      Sem lamentos, sem lágrimas, sem lástimas, o amor parece perdido. Enquanto isso, perdido estou eu que não encontro o caminho para estar perto dela. O mar confunde o amor a amortecer o pranto de ser eu tão só meu. Ela aparece nas ondas do tempo esbarrado no eu ido em busca da praia ela.
     No fundo do mar o amor navega. Aí, o corpo afogado pelo desejo do mergulho. Ela respira fundo. Eu desapareço.
Belo Horizonte, 07 julho 1999

4 comentários:

Ana Bailune disse...

Bom dia, Cadinho. Lindo demais o teu texto.

Amanda Lemos disse...

Gostei muito do que vi !
Muito difícil encontrar espaços bacanas como este :_)

Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...

http://bolgdoano.blogspot.com.br/

Agradeço desde já !

Severa Cabral(escritora) disse...

Estou aqui hoje por um motivo mais que especial.
Tenho que dizer que não foi fácil conseguir você para ser meu seguidor,
foi muita motivação impulsionando com postagens e visitas...que atingi 300 seguidores
Agradeço te convidando a visitar a florada do IPÊ junto comigo no FOLHAS DE OUTONO !
Deixo o meu abraço recheado de carinho !!!!!

Vanessa Barbosa. disse...

Feliz de quem consegue partilhar se pessoas que estão no mesmo tempo, ou não né... vai saber.
Esses desencontros fazem parte da vida, e as vezes eles anunciam que ainda não está no tempo se unir os instrumentos e completar a sinfonia.
Beijos amigo.