Cadinho RoCo – Jeito outro de ler e pintar a vida.

Estréia oficial do Blog – 27 novembro 2006

domingo, 5 de janeiro de 2014

SIMPLES DEDUÇÃO

SÉRIE XAMÃ
dos Folhetos Cadinho RoCo
SIMPLES DEDUÇÃO
     Comento com Xamã o quanto estou impressionado com velocidade do seu crescimento, da sua transformação a cada dia que passa,
     Somos outros sempre. Eis frase que colho do Xamã colocando-me a pensar em tudo que acontece com cada um de nós. Do quanto há de mudanças em nossas vidas, do quanto nos transformamos sempre em outros seres com novas perspectivas e convívios, com novos rumos e novas aspirações. E isso se dá de maneira tão involuntária que mal percebemos o tanto de detalhes que escapam a todo momento da nossa mais aguçada atenção.
     Xamã cresce em corpo, mas, ao que percebo, em conclusões também.
Belo Horizonte, 05 janeiro 2014
CACAU-SELVAGEM
     O que estará fazendo o amor em uma flor? Mais intrigante é percebe-la tão viçosa e tão solitária na sombra da noite, quando sua natureza é a de formar-se em cachos.
     A flor do amor é a de um encantado cacau-selvagem nascido de intrigante solidão. A árvore jovem ainda, traz consigo mistério de alguma mensagem. O amor denunciado por essas pétalas nutridas pela cor da lua, desafia espaço e pensamento a cavalgar em minhas noites. É sonho florescido por essa realidade a confundir pétalas e peles. É presença feição estampada por coincidente suavidade.
     Cavalo Robiara respira comigo silencio que estendemos à flor que chega a sugerir voz muito meiga, a só oferecer estímulo às palavras. Pego-me falando com Robiara que parece indiferente ao que digo.
     Será o amor flor de cacau-selvagem?
Belo Horizonte, 06 fevereiro 2003




4 comentários:

Ana Bailune disse...

Bom dia! Lindo texto, Cadinho. Poético!

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Cadinho.
Belo texto.
Eu vim lhe desejar um lindo e abençoado més de janeiro.
Que Deus lhe abençoei e lhe ajude a obter os seus ideais.
Uma ótima semana.
Beijos.

Laura Santos disse...

No fundo crescer é ir mudando, é transformação.Nunca paramos o processo de crescimento. Imagino como se sentirá Xamã com tanta e deliciosa conversa...:-)
A flor do amor poderá ser cacau-selvagem ou uma flor de qualquer outro fruto...?
Um texto muito belo!
xx

Célia Rangel disse...

A natureza do Xamã nos mostra como é simples crescermos e sedimentarmos o que é bom ou não para nós! Na sua "irracionalidade" ele nos ensina...
Abraços.